Guia de Negócios e Turismo de Santa Bárbara
 
HomeHome E-MailFale Conosco      

HISTÓRIA DE SANTA BÁRBARA

       


Capela de Santa Bárbara

Em princípios do século XIX, aproximadamente em 1810, uma estrada ligando a freguesia de Santo Antônio de Piracicaba à Vila de São Carlos de Campinas foi aberta, em local ainda sertão, conhecido como "Região dos Toledos".

Farta em águas, coberta por densas matas e apresentando qualidade de solo excepcional para cultivo, a região começou a ser procurada por sesmeiros e sitiantes.

Dentre estes, Dona Margarida da Graça Martins, da cidade de Santos, viúva do sargento-mór Francisco de Paula Martins, por volta de 1817 adquiriu uma sesmaria delimitada ao norte com o rio Piracicaba e na direção nordeste com o rio Quilombo, e para cá se dirigiu com seus filhos, parentes e escravos, a fim de estabelecer uma fazenda e montar um engenho de açúcar, o qual daria início à povoação.

Dona Margarida doou à Cúria Paulistana terras para que fosse construída uma capela em louvor à Santa Bárbara, que foi erguida em 1818, ano que marcou a fundação de Santa Bárbara.


Casa Alves
 Praça Central de Santa Bárbara


Usina Cillos
  

Praça Central nos anos 30 


Largo da Matriz (1909)
   

Praça nos anos 40 após a reforma

Com o passar do tempo, nos arredores da capela, foi se constituindo o núcleo urbano, surgindo uma povoação de lavradores dedicados à indústria do açúcar e produção de cereais. Alguns armazéns e oficinas de ferreiros ali se instalaram.

A população rural foi-se adensando à medida que as sesmarias iam fragmentando-se em fazendas e sítios. O número de lavouras, engenhos de cana e pastagem multiplicava-se conforme o desmatamento ia abrindo espaço para o cultivo e criação.

A vinda de imigrantes aumentou consideravelmente o número de habitantes, dando grande impulso ao desenvolvimento econômico e social da região.

Em 1877, o major João Frederico Redher comprou do Barão de Tatuí, intermediada por Prudente de Moraes, a fazenda São Pedro, começando o cultivo de cana em larga escala. Em 1883, montou o primeiro grande engenho do município, inaugurando em 1889 a destilaria de álcool, culminando esse processo de desenvolvimento em 1902, com a escolha da Fazenda São Pedro para a instalação da Usina açucareira que viria a ser inaugurada em 25 de julho de 1914, após a constituição da Companhia de Estrada de Ferro e Agrícola de Santa Bárbara.


Família Pyles
(imigrantes americanos, 1915)

Outros engenhos de menor porte transformaram-se também em usinas de açúcar e álcool, como a Furlan, Cillos e Galvão, restando hoje em atividade, apenas a Usina Furlan.

Outro grande impulso às atividades econômicas foi proporcionado pela vinda de imigrantes europeus, italianos em maior número, que aqui chegaram no final do século XIX e início do século XX.


Estação Ferroviária

Com o passar dos anos, surgiram oficinas mecânicas que se ocupavam da fabricação e conserto de arados, troles e instrumentos agrícolas, surgindo as fábricas de arados e maquinários como a de Fortunato Lyra, Francisco Mattedi, José João Sans, Humberto Materazzo e Américo Emílio Romi.

Em 1917 foi inaugurado na cidade, o Ramal Ferroviário Nova Odessa - Piracicaba, pela Cia Paulista de Estrada de Ferro, o qual facilitou o escoamento da produção das usinas e a exportação de produtos das indústrias barbarenses e também a importação de bens em geral e insumos para essas indústrias.


Linha de montagem dos carros Romi-Isetta, nas indústrias Romi (1956 à 1961)

Com o passar dos anos o parque industrial em Santa Bárbara aumentou, principal-mente com a instalação de indústrias têxteis e o desenvolvimento das metalúrgicas para a fabricação de máquinas agrícolas e tornos. Nos anos 50 foi produzido na cidade o primeiro automóvel de fabricação nacional: o Romi-Isetta.

Nos anos 70, Santa Bárbara D´Oeste recebeu um grande número de migrantes de outras cidades brasileiras que se estabeleceram na zona leste e que, juntamente com o desenvolvimento industrial, acelerou o crescimento urbano, a tal ponto que verifica-se nesta região, o fenômeno da conurbação, ou seja, ruas e avenidas que separam os municípios de Santa Bárbara d´Oeste e Americana.

Neste final de século, o município passou por uma fase de grande progresso em suas mais diferentes atividades. Instalação de novos estabelecimentos comerciais como Shopping Center, redes de supermercados e de fast-food; vasta gama de prestadores de serviços e novas indústrias garantiram à cidade um caminhar firme em sua crescente rota de desenvolvimento.

Operários da Cia. de Fiação e Tecelagem Santa Bárbara